Cara ou Coroa?

By  |  0 Comments

Em dois pontos prévios, poupo narrativas desnecessárias sobre o que é acessório:

1)      Defendo que qualquer cidadão num estado de direito democrático tem legitimidade de se apresentar a eleições, sendo reforçada essa legitimidade a quem por filiação partidária entende ser alternativa;

2)      Tenho para mim que, como politico, António Costa é de longe melhor líder que António José seguro.

Ultrapassados que estão estes dois pontos, concentremo-nos sobre o essencial e deixemos o supérfluo. E refiro-me à disputa em torno da liderança do Partido Socialista.

As tricas políticas dentro do PS têm dado ao país o argumento pelo qual tantos e tantos portugueses se afastam da política (e dos partidos políticos), e porque tantos e tantos portugueses se afastam das urnas de voto, contribuindo também eles – cidadãos-, para o reforço da legitimidade democrática dos partidos. A disputa politica dentro do PS, não passa por um digladiar de melhores ideias ou novas politicas, António Costa e António José Seguro protagonizam, hoje, na política nacional o puro e simples almejo pela tribuna politica e por um melhor posicionamento na máquina partidária.

Entendo que todos os mandatos são, por regra, para serem cumpridos e nenhum líder deve ser questionado na sua legitimidade democrática quando essa mesma legitimidade foi concedida pelo voto. António Costa entende que não. E entende sobretudo por uma ordem de razão: Eleições legislativas de 2015! E neste ponto, está-lhes nos genes o pretensiosismo de julgarem que mandatos se podem interromper – que vos conte Santana Lopes e uma maioria absoluta no Parlamento – e que são, por A mais B, melhor alternativa que o legitimado. A António Costa não falta astucia, nem capacidade, falta-me o regra do carácter e a sensatez do tempo. Mas esse chega inevitavelmente e com ele a necessidade de se dizer alguma coisa.

Ideias. É isso que falta. Até ao momento o que Costa disse foi peanuts. Senão vejamos:
– Avaliar os recursos nacionais. Boa!

– Modernizar o tecido empresarial e a administração pública. Uau!

– Investir na ciência, na cultura e na educação. Duplo Uau!

– E por fim a minha favorita. António Costa quer aumentar a riqueza. Não quer aumentar impostos, nem aumentar a receita. Quer simplesmente aumentar a riqueza!

Ora, isto são tudo ideias totalmente originais que nenhum Socialista se lembraria. Aliás, que nunca foram propostas. Tenho cá para mim que António Costa fazia melhor figura se ficasse calado e se deixasse levar em ombros, porque depois da apresentação da “Agenda para a década”, sabemos que isto não é uma disputa de ideias. Nessa, Costa perde!

A julgar pelo desconchavado discurso de Mário Soares, Costa é O Socialista, simplesmente por um detalhe: levanta o punho!

Como vemos este Partido Socialista não existe. E se existe não se reconhece. E se se pudesse reconhecer, estou certo que teria vergonha de si.

António José Seguro já não é líder, nem o PS oposição. António Costa já ganhou!

Rúben Fonseca

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.