“Diz-me o que partilhas, dir-te-ei quem és”

By  |  0 Comments

Há alguns anos atrás diríamos “diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és” e até podíamos fazer juízos sobre pessoas próximas e conhecidas em conformidade com aquilo que fazem em sociedade, profissão, amigos, lugares que frequentam, roupa que vestem, etc. Na verdade, pouca coisa ou nada mudou e estes factores continuam a prevalecer quando tentamos descobrir informação sobre determinada pessoa, no entanto, surgiram novas e facilitadas formas para uma melhor análise sobre alguém do nosso interesse ou do nosso círculo de amigos.

A Internet e as redes sociais dão-nos uma perspectiva muito mais ampla e esclarecedora sobre todos os perfis pessoais. Apesar de ainda poucos o considerarem, a comunicação que cada pessoa faz enquanto utilizadora das redes sociais esclarece e dá a conhecer os seus valores, comportamentos e atitudes, e modifica sempre a forma como os outros percepcionam os seus hábitos e perfil no seu todo.

Os Media Sociais vieram abrir portas gigantes e alterar completamente a forma como vemos os outros e o mundo em geral. É através das várias plataformas sociais, como por exemplo, o Facebook, o Twitter, o Pinterest, o Google+, o Linkedin, entre outros, que encontramos informações sobre o perfil geral, gostos, trabalhos, participações, costumes, relações e amigos de determinada pessoa.

O utilizador tem duas possibilidades, ser activo ou não ser activo nas redes sociais.

Se não é activo, poderá estar a perder grandes oportunidades de se expôr socialmente contribuindo com a sua participação por ventura em organizações e grupos de interesse. Pelo contrário, se é activo deve preocupar-se com aquilo que partilha porque é isso que determina a percepção que os outros têm do perfil pessoal que é, nada mais nada menos, o seu “espelho virtual”. Importante agora, é que o utilizador normal das redes sociais se pergunte a si próprio qual o seu papel e função que pode desempenhar, que relevância pode ter no seu circulo de amigos e que conteúdos serão realmente importantes partilhar.

O importante não é estar activo, mas sim “estar activo com relevância” na informação que partilha.

Há quem julgue que o importante é publicar informação que faça gerar “Likes” porque supostamente são estes que medem o sucesso da publicação, mas isso não é totalmente verdade apesar de ser um bom indicador. Mais importante que o sucesso pontual nos conteúdos partilhados, é a imagem e relevância dos mesmos conteúdos a longo prazo. Daqui tiramos uma conclusão, é importante posicionarmos a nossa identidade e enquanto utilizador devemos tentar transparecer com sabedoria aquilo que fazemos e queremos dizer. Não se trata de publicar sentimentos e vontades, trata-se de sermos sérios (mesmo que seja a brincar) na acção pessoal nas redes sociais, demonstrar interesse sobre assuntos da nossa área de trabalho, estudo ou interesse.

É muito provável que hajam utilizadores que não vêem as coisas desta maneira, utilizando as redes sociais de uma forma natural e espontânea e publicando conteúdos de temas variados e populares. Será sempre uma questão de opção.

Para quem quer mostrar-se ao mercado de trabalho e posicionar-se em geral como uma pessoa de interesse e relevância em determinada área, ficam aqui 6 dicas básicas:

1 – Imprimir em papel a actividade do próprio mural dos últimos 15 dias;

2 – Fazer um estudo sobre as publicações antigas que geraram mais “engagement”;

3 – Posicionar o perfil para determinada área;

4 – Investigar formas de comunicar sobre a área de interesse;

5 – Estar informado e actualizado;

6 – Ser activo nas redes sociais – publicar 5 conteúdos por semana (mínimo).

Como já muitos de nós sabemos, são muitas as empresas que a esta altura recrutam colaboradores tendo em conta a performance dos mesmos nas redes sociais. Nesta perspectiva não é só importante, mas também crucial uma actividade cuidada no Facebook ou em outra plataforma social popular.

A actividade online é essencial para valorização pessoal e aproximação ao mundo real apesar da comunicação ser virtual. Todos precisamos de Marketing Pessoal, e temos ao nosso dispor as melhores ferramentas para nos expormos nas redes sociais de forma segura, racional e inteligente.

Entrar na Era Digital é crucial num momento em que os negócios online estão em crescimento e as relações humanas se concentram nas redes sociais.

Gustavo Brás

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.