Socialismo de rabo na boca

By  |  0 Comments

O meu texto de terça-feira, para o jornal i:

Na semana passada, enquanto o Dr. João Tiago Silveira pregava o “projeto” de programa do PS, imagino não ter sido a única a contar as vezes que ouvi “mais”. E a simples consulta ao documento confirma: no PS é tudo mais exceto os impostos. O dinheiro cai do céu ou da Europa, mesmo ali, no Largo do Rato.
 
Nos últimos tempos, o PS surge tal qual a personagem da anedota do Titanic, que não sabe para que bote se lançar, e depois de patinar num cenário macro económico que lhe permite aspirar a uma luta pelo eleitorado do centrão, decide recorrer à velha falácia socialista de que não estamos a fazer o suficiente para alcançar uma “justiça social”, uma “justiça económica” e, então, propõe 21 “causas” e outros tantos “mais”.
A explicação é sociológica: tradicionalmente, a esquerda vive animada por um ardor perpétuo de indignação e, para alimentar o “progresso”, sabota-se não permitindo que os seus objetivos sejam alcançados. Imagine um jogo de futebol, que termina assim que o primeiro golo seja marcado, em que nenhuma das equipas mostra interesse em ganhar, preferindo jogar num eterno empate que não leva ao apito final. Assim, a esquerda, recorre a uma amálgama de causas e de protestos associados a definições indeterminadas e a chavões não mensuráveis, garantindo que tudo está por fazer. Chegada ao poder depara-se com uma situação pior do que calculava, tendo de desenvolver novo plano, necessitando de tempo, sendo demitida quando acaba o dinheiro, ou a paciência, nunca concluindo o projeto inicial de desenvolvimento da sociedade perfeita. E estamos de volta ao início do texto, estimados leitores.
Graça Canto Moniz

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.